listen carefully

Aumente sua criatividade ouvindo música!

Por

Rafaela Sanzi

dia de de

Você sabia que certos tipos de música podem ativar e aumentar a sua criatividade?

A música pode criar um equilíbrio entre o lado lógico e o lado intuitivo do cérebro e favorecer a nossa capacidade criativa. São 4 as principais dicas apontadas por especialistas no tema:

#1 as ondas cerebrais theta

Geralmente temos picos de criatividade quando experienciamos ondas theta. Uma onda cerebral que possibilita insights e tem muita força criativa. É o estado em que estamos ao acordar e ao adormecer. Um estado de sonolência ainda consciente. Podemos induzir este estado por meio da prática da meditação e com a ajuda de áudios (ouça um exemplo). Tendemos a ficar mais receptivos a informações que estão além do nosso estado normal de consciência, ativando estados mentais extra-sensoriais.

#2 o volume ideal

Nem muito alto, nem muito baixo. Dê preferência para ambientes cujo ruido é mediano. Ouvir música em volume médio é o mais recomendado para despertar a criatividade. A razão disso é que o ruido moderado aumenta nossa dificuldade de processamento, que incentiva o pensamento abstrato, levando a maior criatividade. Em outras palavras, quando lutamos para mentalmente processar pensamentos e informações, utilizamos abordagens mais criativas. Por outro lado, quando estamos em ambientes de alto ruido, barulho ou mesmo música muito alta, a criatividade fica debilitada devido ao excesso de esforço que fazemos para processar informações.

#3 a intensidade ideal

A intensidade da música que ouvimos também causa efeitos no nosso corpo. Essa intensidade é medida pelo que chamamos de BPM (batidas por minuto). As músicas de maior intensidade (100-170 BPM), mais vivas, são energizantes, aumentam o batimento cardíaco o ritmo respiratório e o batimento cardíaco. Por outro lado, as músicas calmas (em torno de 60 BPM) são relaxantes, desacelera o coração e aumenta a concentração assim como diminui a pressão arterial. Idealmente utilizam-se músicas de intensidade baixa (50-70 BPM).

#4 o ritmo ideal

Embora o volume e a intensidade ajudem consideravelmente a estimular a criatividade, há um último fator apontado por estudos como determinante: o elemento repetitivo. A repetição faz com que o cérebro se ajuste e foque na tarefa. Mas não são todas repetições musicais que funcionam. Múltiplas repetições não fazem nada além de quebrar a concentração. Repetição simples é o que buscamos quando queremos nos concentrar e aumentar a criatividade.

Em suma, a música pode ser uma ferramenta poderosa quando se trata de estimular a criatividade, se bem utilizada. Desafio você a testar que efeitos uma música em volume baixo e baixa intensidade tem sobre você durante o trabalho. Percebeu algum efeito positivo? E quais foram os efeitos de uma música de alta intensidade e alto volume?

Compartilhe conosco os resultados do seu experimento! Deixe um comentário.

Em busca da batida perfeita:

Compartilhe músicas que você encontrou que encaixam-se nos quesitos #2 #3 e #4!

Quer saber mais sobre música e criatividade?